terça-feira, 6 de outubro de 2015

VENHAM PARTICIPAR E VOTEM NOS PRODUTOS DA APRORIO

Maravilhas Gastronômicas do Estado do Rio de Janeiro 2015

O prêmio Maravilhas Gastronômicas do Estado do Rio de Janeiro chega à terceira edição, em 2015, com o objetivo de valorizar a cultura do gosto regional. O compromisso é dar visibilidade e mapear a produção gastronômica fluminense de qualidade. Assim, a premiação reconhece quem planta e produz no território, lugar de sabor, memória e conhecimento. Este ano, a inspiração vem do gastrônomo Brillat-Savarin, autor do livro “A Fisiologia do Gosto”, que completa 190 anos em 2015. A obra é considerada a certidão de nascimento da gastronomia.

Esta edição apresenta 12 categorias, definidas a partir do contexto sócio-econômico, ambiental, histórico e cultural do Estado: Da ÁguaCachaçasCafésCervejasConservasDoces e CompotasEmbutidos,LaticíniosMelPastas e PatêsQueijos e Da Terra.
A votação vai até o dia 31 de outubro. Em 2015, a votação pela internet tem peso 3 e a avaliação dos consultores com peso 7. Serão os vencedores os que obtiverem maior pontuação da média ponderada entre os votos populares e voto especializado.

Venham participar e apoiar os produtos da ApoRio:
2 - Escolha a categoria;
3 - Vote no produto da categoria;

Abaixo vamos listar os produtos da AproRio que pedimos ajuda nessa votação, assim valorizando os Produtos da Agricultura Familiar do Estado do Rio de Janeiro.
- Café: Café Iranita - (Associado da AproRio)
- Conservas: Caponata de berinjeta da Mistura Fina - (Associado da AproRio)
- Da Terra: Orgânicos do Sítio Cultivar - (Associado da AproRio)
- Doces e Compotas: Bananada Natural Fumel  - (Associado da AproRio)
- Laticínios: Iogurte de leite de cabra Racho Grande  - (Associado da AproRio)
- Mel: Mel de Laranjeiras do Apiário Leão  - (Associado da AproRio)
- Queijo Minas Curado Fazenda Boa Fé  - (Associado da AproRio) 













segunda-feira, 27 de julho de 2015

Rio Gastronomia 2015 e a AproRio estará presente, venham nos visitar!

O Evento

Considerado o maior evento de gastronomia do país, o Rio Gastronomia chega em 2015 a sua 5ª edição ainda mais charmoso. No ano passado, quando reuniu 41 mil pessoas, o
Jockey Club Brasileiro foi palco de estrelas da cozinha como Felipe Bronze, Thomas Troisgros, Pedro de Artagão, Bela Gil, Roberta Sudbrack, Danio Braga, Luciano Boseggia, Jan Santos, Ricardo Lapeyere, entre outros. 

Este ano, a festa continua. No Jockey, acontece o Circuito Rio Gastronomia com quiosques de vários restaurantes premiados, a Feira dos Sabores -uma amostra do que há de melhor na produção familiar fluminense - e uma extensa área de confraternização. Há duas grandes novidades: a Feira de Cachaça e a Horta Sustentável. 

Feira de Sabores (Participação da AproRio)

Quitutes de pequenos produtores da agroindústria familiar fluminense, como queijo de cabra, palmito pupunha, frutas desidratadas etc.

Pela terceira vez, o Rio Gastronomia abre espaço para a agroindústria familiar do interior do estado do Rio. Doces caseiros, queijos fresquíssimos, geleias, embutidos... São incontáveis delícias que traduzem o desejo da maioria dos gourmets e consumidores em geral no momento: levar para casa um produto autêntico, com sabor de verdade e ainda contribuir para um comércio mais justo e sustentável.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Projeto promove a fabricação de café especial no Noroeste fluminense - Café Iranita

http://www.faperj.br/?id=2930.2.0

 Cafezal do sítio Iranita: nobre, o grão arábica é colhido manualmente (Foto: Divulgação)

 Embalagens do café Iranita: empreendimento familiar ajuda a movimentar a economia 
do Noroeste fluminense (Foto: Divulgação)

Amostra do café Iranita: grãos 100%  do tipo arábica (Foto: Divulgação)

Débora Motta


Que tal um cafezinho? Uma das bebidas preferidas dos brasileiros vem ganhando consumidores com um paladar cada vez mais elaborado. Os cafés especiais são um segmento de mercado em expansão, atraindo apreciadores pelo sabor diferenciado, pela melhor qualidade do produto e pela agregação de valores socioambientais. A Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic) estima que o consumo no País deve alcançar 21 milhões de sacas em 2015, das quais um milhão apenas de cafés especiais. Vale lembrar que o Brasil é o maior produtor e exportador de café do mundo e acaba de celebrar o Dia Nacional da bebida, no dia 24 de maio.

O processo de produção cafeeira passa pelas etapas de colheita, secagem, torrefação e moagem. Um dos diferenciais da produção do café Iranita é o cuidado na hora de separar os grãos, logo após a colheita, que é realizada sobre um pano, para evitar contato com as impurezas do solo. A separação dos grãos ocorre em um equipamento chamado de lavador de café. Quando colocados na água, eles são separados devido às suas diferentes densidades. Os grãos secos boiam. É como separar o joio do trigo. “Primeiro, escolhemos os grãos 'cereja’, formados por grãos maduros, separando-o dos grãos verdes e dos grãos secos, estes últimos conhecidos como 'boias', que dão um sabor inferior ao pó final”, explicou. Em seguida, os grãos “cereja” são despolpados e seguem para o processo de secagem. O café fica armazenado até ser enviado para a torrefação, moagem e embalagem, etapas que são terceirizadas para produtores familiares da própria região.
Com base nessas tecnologias, conseguimos produzir e embalar um café de qualidade, com grãos 100% do tipo arábica”, destacou Ana Regina. Considerado nobre, o grão do tipo arábica é colhido manualmente. “Como se adapta bem à elevada altitude, é também a variedade que predomina no Noroeste fluminense”, explicou a agrônoma. 

O nome do café Iranita é uma homenagem à família de Ana Regina, de quem ela herdou a arte da cafeicultura. “Irany era o nome do meu avô e Nita era o apelido da minha avó, Maria Rita”, recordou. Hoje, o produto é apresentado em três embalagens valvuladas: uma de 250g, de café torrado e moído; outra, também de 250g, de café torrado em grão; e uma de 1 kg de café torrado em grãos – todas com validade de um ano. "Possuímos os seguintes selos em nossos produtos: o Selo de Identificação da Participação da Agricultura Familiar – SIPAF e o Produzido RJ, o que também dá um diferencial ao nosso produto", disse.Atenta a esse nicho de mercado, a engenheira agrônoma Ana Regina Majzoub vem investindo na produção de cafés especiais em sua propriedade rural, no distrito de Purilândia, a cerca de 15 quilômetros da cidade de Porciúncula, na região Noroeste fluminense, bem perto da divisa com Minas Gerais. Ao lado do marido e sócio, Suhail, e da mãe, Clenair, ela vive num sítio de 74 hectares, onde administra a produção do café Iranita desde 2005, quando seu pai, Olympio, faleceu. A produção de café teve início na propriedade em 1995. Hoje, metade da área do terreno de mata nativa está preservada. “Investir em cafés especiais é uma alternativa de fazer um produto mais competitivo, com valor agregado”, disse Ana Regina.  

Para adequar seu produto a ponto de torná-lo reconhecido como um café especial, ela introduziu algumas inovações tecnológicas. Contemplada pela FAPERJ, no edital Apoio à Inovação Tecnológica, ela investiu na aquisição de equipamentos, entre eles um aparelho secador de grãos, que permite uma secagem mais rápida e uniforme do que o tradicional método de exposição ao sol, no terreiro. “Trata-se de um projeto de melhoria, a partir da introdução de processos de inovação tecnológica, que visam mudar a produção tradicional para esse nicho específico de mercado dos cafés especiais”, resumiu.

O empreendimento familiar reafirma a tradição da região Noroeste fluminense para a cafeicultura. “Historicamente, a região já teve uma das maiores produções de café do estado, concentradas especialmente no município de Varre-Sai. 

Hoje, existe um forte movimento de cooperativas e associações de cafeicultores que vem fortalecendo esse cultivo e contribuindo para um renascimento da cafeicultura na região”, explica Ana Regina. “A Coopercanol, cooperativa de café com sede em Varre-Sai, da qual também participamos, reúne os cafeicultores do Noroeste Fluminense”, citou. 

“Participamos também da Associação de Produtores Agroindustriais do Rio de Janeiro, a Aprorio”, completou.
O produto com grãos 100% do tipo arábica vem ganhando visibilidade em diversas feiras gastronômicas. “Já apresentamos o café Iranita em estandes no Rio Gastronomia, promovido pelo jornal O Globo, em 2013 e 2014, no Jóquei Clube; na Feira Nacional de Agricultura Familiar, do Ministério de Desenvolvimento Agrário, nas edições de 2008, 2009, 2010 e 2012, que ocorreu na Marina da Glória, e em Brasília; na Feira da Providência, no final de 2014; no Salão do Turismo, em Niterói, em 2013, e em São Paulo e Rio, em 2011; no Green Rio, evento que ocorreu em maio de 2015 no Jardim Botânico; e no evento Maravilhas Gastronômicas do Rio de Janeiro, idealizado pelo jornalista Chico 
Junior, quando concorremos na categoria Cafés. Esses eventos e parcerias nos ajudam a divulgar o café Iranita em várias regiões, o que nos incentiva a melhorar ainda mais nosso produto. É gratificante quando vamos a algum evento e alguém nos diz que estava procurando pelo estande do café Iranita.”

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Síltio Cultivar - 25 anos de produção de alimentos saudáveis




Vocês encontrarão nossas  Saladas Mix, pronta para consumo, produzidas com a alface Salanova.  Além de orgânicas são crocantes, macias e deliciosas.
São alfaces, cujas folhas são todas minis, porém elas contém mais nutrientes que as demais.

Chega cedinho, às TERÇAS e SÁBADOS, em toda Rede Hotifruti  Alinhar imagem

Vale conferir.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Curso prático - AS DELICIAS DA NATUREZA NA SUA MESA (AproRio)

AS DELICIAS DA NATUREZA NA SUA MESA
Aprenda a fazer conservas e geleias com a qualidade e o requinte da Mistura Fina





Inspirada na natureza, a bióloga Marta de Abrantes, escolheu os alimentos para trabalhar e foi em conservas naturais que ela se especializou. Criadora da marca Mistura Fina, promoverá uma séries de cursos em 2015 e o próximo será nos dias 18 e 19 de abril, em Lumiar, região serrana do Rio de Janeiro. As aulas acontecem em uma cozinha industrial e abrange desde a escolha dos vegetais até a conserva pronta para consumo, ressaltando a importância da produção de alimentos sem produtos químicos. O curso é destinado a pessoas que tenham o interesse em desenvolver conhecimentos na área de processamento de conservas e geleias. Aproveite para aprender esta técnica de conservação de alimentos e, quem sabe até uma nova profissão!

Com uma carga horária de 12 horas divididas em dois dias e apenas 8 vagas, nas aulas ministradas no aprazível outono serrano, serão abordados assuntos como a legislação vigente, as práticas de conservação de alimentos, os tipos de processamentos, os fluxo de produção, os conservantes naturais, os fatores limitantes para o crescimento de fungos e bactérias, além do branqueamento, pateurização e, não esquecendo do controle de qualidade. As aulas acontecem de 9 as 17 horas, com intervalo para almoço e um delicioso coffee break, recheado dos produtos fresquinhos feitos no curso, no fim das tardes. Com os alunos, Marta troca experiência e suas criativas receitas de geleias, chutneys, picles, relishes e antepastos. As matrículas podem ser feitas no site www.lojamisturafina.com.br. Garanta sua vaga!

A EMPRESA
Jovem, inovadora e ética, a empresa Mistura Fina atua informalmente desde o ano de 2005 na região serrana do Rio de Janeiro, em Nova Friburgo, no distrito de Lumiar, com a produção e especialização de produtos em conservas. Atualmente conta com uma agroindústria, implantada em julho de 2009, cumprindo todos os pré requisitos estabelecidos pela vigilância sanitária.

A PROFESSORA
Marta de Abranches, Licenciada e Bacharel em Biologia (2002), é microempreendedora individual comodatária do Sítio Abaetetuba, em Lumiar/ Nova Friburgo. É sócia fundadora da Agroindústria Mistura Fina. Tem certificação em Boas Práticas de Fabricação de Alimentos, Análise e Pontos Críticos de Controle e Fabricação de Doces e Geleias. É Professora/ tutora da UERJ/ CEDERJ - Centro de Educação a Distancia do Rio de Janeiro, desde 2005. Pós-graduanda em Segurança Alimentar pelo SENAC.
Na agroindústria, trabalha na gestão e treinamento de funcionários, no controle do estoque da qualidade dos produtos, na criação, desenvolvimento e manufatura de novos produtos para Agroindústria Mistura Fina. Organiza, coordena e ministra cursos em sistemas produtivos sustentáveis. Participa, com os produtos da Agroindústria em vários eventos como Feiras da Agricultura Familiar, Salão do Turismo do Rio de Janeiro e de São Paulo, Feiras de Empreendedores e Feiras Gastronômicas.



Marta de Abranches
Gerente de produção
21-99688-8909 (vivo)
22-99218-2596 (claro)
Nossa loja virtual:

Siga-nos no facebook:

Para saber mais sobre a Mistura fina:

sexta-feira, 27 de março de 2015

Isso é o que aconteceria se as abelhas desaparecessem


Um mundo sem abelhas também significaria um mundo sem frutas, legumes, nozes e sementes.
Quase um terço das culturas do mundo dependem das abelhas para a polinização, mas ao longo da última década, os insetos preto-e-amarelo foram morrendo a taxas sem precedentes em todo o mundo.
Os pesticidas, doenças, parasitas, o mau tempo, e o estresse de ser transportado de pomar-para-pomar para polinizar culturas diferentes… todos desempenham um papel no declínio das populações de abelhas gerenciadas. A falta de abelhas ameaça agricultores que dependem desses animais que se alimentam de néctar e do pólen para os seus serviços de polinização.
Temos poucas defesas planejadas contra uma eventual extinção das abelhas. A Farm Bill, aprovada em 10 de junho de 2013 nos Estados Unidos, aloca menos de US$ 2 milhões por ano em ajuda de emergência para as abelhas.
“Se algo não for feito para melhorar a saúde das abelhas, em seguida, a maioria dos alimentos que comemos vai estar indisponível”, adverte Carlen Jupe, secretário e tesoureiro da Associação de Apicultores do Estado da Califórnia.
Aqui, nós trazemos um olhar puramente hipotético de como a dieta humana e estilo de vida mudaria se as abelhas e outros polinizadores desaparecerem do nosso planeta um dia. Este é o pior cenário possível – é possível que o engenho humano e polinizadores alternativos possam mitigar alguns destes resultados, mas não necessariamente todos eles:
  • Se as abelhas morrerem, os apicultores que ganham a vida através da gestão de colônias de abelhas vão perder o negócio.
  • Sem apicultores comerciais, os agricultores não serão capazes de juntar abelhas suficientes para polinizar suas áreas.
  • Se o agricultor não fornece campos ou pomares com abelhas suficientes para a polinização, toda a colheita pode falhar.
  • A maioria das frutas e legumes iriam embora. Isso inclui maçãs, cerejas, amoras, abacates, brócolis, a maioria das verduras, pepinos, abóboras, e muitos mais.
  • Amêndoas, que usam dois terços de colônias de abelhas gerenciadas nos EUA, seriam uma das primeiras culturas que desapareceriam sem as abelhas. Sem qualquer tipo de polinização, um pomar de amêndoa produziria menos de um sexto do que vai produzir com a polinização, de acordo com Carlen Jupe, da Associação de Apicultores do Estado da Califórnia.
  • Amêndoas fazem um lanche saboroso, mas elas também são usadas em cereais, panificação, e muitos outros produtos alimentares – que perderíamos se as plantações de amêndoas colapsarem.
  • Além disso, cascas de amêndoa muitas vezes são trituradas e usadas como ração para as vacas.
  • Se as vacas não obtiverem os nutrientes adequados, elas não podem produzir leite.
  • Se não houver leite de vaca o suficiente, haverá menos produtos lácteos, como queijo, iogurte e sorvete. Estes produtos também ficarão mais caros.
  • As abelhas também são valorizadas pelo seu mel, que, evidentemente, acabaria.
  • A indústria de cosméticos, que usa o mel como hidratante de pele em muitos cremes, sabonetes, xampus e batons, também vai sofrer.
  • As sementes oleaginosas, como o algodão, girassol, coco, amendoim e óleo de palma, que tanto dependem ou se beneficiam da polinização das abelhas, também murchariam, eliminando mais da metade da dieta do mundo de gordura e óleo.
E poderíamos estender essa lista muito mais, mas já deu para deixar claro como as abelhas são fundamentais em nossa sociedade, e que merecem esforços de conservação. 
http://misteriosdomundo.org/isso-e-o-que-aconteceria-se-as-abelhas-desaparecessem/

terça-feira, 10 de março de 2015

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

CURSO DE PROCESSAMENTO DE CONSERVAS E GELEIAS DE ORIGEM VEGETAL



Estrada Vereador Eugenio Guilherme Spitz, km21, Sem número
Lumiar/ Nova Friburgo – RJ
Cep-28.215-450

CURSO DE PROCESSAMENTO DE CONSERVAS E GELEIAS DE ORIGEM VEGETAL


Professora : Marta de Abranches

Experiência profissional:
Marta de Abranches, Licenciada e Bacharel em Biologia (2002), é microempreendedora individual comodatária do Sítio Abaetetuba, em Lumiar/ Nova Friburgo.
Sócia fundadora da Agroindústria Mistura Fina (2009). Tem certificação em Boas Práticas de Fabricação de Alimentos, Análise e Pontos Críticos de Controle e Fabricação de Doces e Geleias.  Pós-graduada em Segurança Alimentar pelo SENAC. É Professora/ tutora da UERJ/ CEDERJ - Centro de Educação a Distancia do Rio de Janeiro, desde 2005.  
 Na agroindústria, trabalha na gestão e treinamento de funcionários, no controle do estoque da qualidade dos produtos, na criação, desenvolvimento e manufatura de novos produtos. Organiza, coordena e ministra cursos em cursos em produção de conservas e geleias e frutas desidratadas, aproveitamento integral de alimentos e sistemas produtivos sustentáveis. Experiencia em desenvolvimento e gestão de projetos.
Participa, com os produtos da agroindústria em vários eventos como Feiras da Agricultura Familiar, Salão do Turismo do Rio de Janeiro e de São Paulo, Feiras de Empreendedores e Feiras Gastronômicas.
Foi contemplada pelo Fundo de Amparo a Pesquisa do Estado do Rio com o projeto “Produção familiar associada ao turismo - do campo à mesa”.
Recebeu o premio Maravilhas Gastronômicas, do Jornal O Globo na categoria “Melhor Conserva” do Estado do Rio em 2014 e “Melhor farofa de mandioca” na categoria “Da terra”, no mesmo ano.

Objetivo da conservação de alimentos:
·         Conservar produtos na safra para consumi-los na entressafra.
·         Aproveita as sorbras das colheitas, reduzindo o desperdício.
·         Possibilitar a melhoria da alimentação familiar através da disponibilização de produtos de qualidade, de fácil utilização e transporte;
·         Ser uma fonte de renda para as famílias rurais;
·          Agregar valor e aumentar da validade.

OBJETIVO DO CURSO:
  • Desenvolver conhecimento sobre as principais formas de processamento de conservas e geleias;
  • Desenvolver técnicas de produção de geleias, chutneys, relishes e antepastos de origem vegetal;
  • Capacitação básica para atuar unidades no processamento de conservas e geleias;

PUBLICO ALVO:
O curso é destinado a pessoas que tenham o interesse em desenvolver conhecimentos na área de processamento de conservas e geleias.
Data: 27 e 28 de fevereiro
Carga horária: 12 horas
Sexta- 9:00-12:00 /14:00-17:00 (com coffe break as 16:00 h)
Sábado- 9:00-12:00 /14:00-17:00 (com coffe break as 16:00 h)
NÚMERO DE VAGAS: 5

CONTEÚDO
Tópicos a serem abordados:
  • Legislação – Alvará /Tipos de registro (ANVISA/MAPA)
  • Documentação necessária para agroindústria
  • Cursos indicados
  • Manual de boas práticas de conservação de alimentos
  • Processamento das conservas e geleias
  • Tipos de processadores
  • Fluxo de produção
  •  Conservantes naturais
  • Fatores limitantes para o crescimento de fungos e bactérias - pH, Atividade de água e ausência de oxigênio;
  • Técnicas de conservação:
Branqueamento;
Pasteurização;
  • Controle de qualidade;
  • Troca de receitas e de experiências (geleias, picles, chutney etc..)

- Geleia de morango
- Chutney de manga
- Picles de pepino
- Cenourinha agridoce
- Chutney de banana
- Conserva de berinjela condimentada

·         Apresentação de livros de receitas de conservas e geleias

Entrega de apostila receitas, noções de boas práticas, técnicas de conservação e legislação específica (rotulagem, boas práticas, etc..)  e cd com informações complementares.
Investimento da aula : 800,00 
PS: Translado, hospedagem e alimentação não inclusos









#aprorio #qualidadetotal