sexta-feira, 27 de março de 2015

Isso é o que aconteceria se as abelhas desaparecessem


Um mundo sem abelhas também significaria um mundo sem frutas, legumes, nozes e sementes.
Quase um terço das culturas do mundo dependem das abelhas para a polinização, mas ao longo da última década, os insetos preto-e-amarelo foram morrendo a taxas sem precedentes em todo o mundo.
Os pesticidas, doenças, parasitas, o mau tempo, e o estresse de ser transportado de pomar-para-pomar para polinizar culturas diferentes… todos desempenham um papel no declínio das populações de abelhas gerenciadas. A falta de abelhas ameaça agricultores que dependem desses animais que se alimentam de néctar e do pólen para os seus serviços de polinização.
Temos poucas defesas planejadas contra uma eventual extinção das abelhas. A Farm Bill, aprovada em 10 de junho de 2013 nos Estados Unidos, aloca menos de US$ 2 milhões por ano em ajuda de emergência para as abelhas.
“Se algo não for feito para melhorar a saúde das abelhas, em seguida, a maioria dos alimentos que comemos vai estar indisponível”, adverte Carlen Jupe, secretário e tesoureiro da Associação de Apicultores do Estado da Califórnia.
Aqui, nós trazemos um olhar puramente hipotético de como a dieta humana e estilo de vida mudaria se as abelhas e outros polinizadores desaparecerem do nosso planeta um dia. Este é o pior cenário possível – é possível que o engenho humano e polinizadores alternativos possam mitigar alguns destes resultados, mas não necessariamente todos eles:
  • Se as abelhas morrerem, os apicultores que ganham a vida através da gestão de colônias de abelhas vão perder o negócio.
  • Sem apicultores comerciais, os agricultores não serão capazes de juntar abelhas suficientes para polinizar suas áreas.
  • Se o agricultor não fornece campos ou pomares com abelhas suficientes para a polinização, toda a colheita pode falhar.
  • A maioria das frutas e legumes iriam embora. Isso inclui maçãs, cerejas, amoras, abacates, brócolis, a maioria das verduras, pepinos, abóboras, e muitos mais.
  • Amêndoas, que usam dois terços de colônias de abelhas gerenciadas nos EUA, seriam uma das primeiras culturas que desapareceriam sem as abelhas. Sem qualquer tipo de polinização, um pomar de amêndoa produziria menos de um sexto do que vai produzir com a polinização, de acordo com Carlen Jupe, da Associação de Apicultores do Estado da Califórnia.
  • Amêndoas fazem um lanche saboroso, mas elas também são usadas em cereais, panificação, e muitos outros produtos alimentares – que perderíamos se as plantações de amêndoas colapsarem.
  • Além disso, cascas de amêndoa muitas vezes são trituradas e usadas como ração para as vacas.
  • Se as vacas não obtiverem os nutrientes adequados, elas não podem produzir leite.
  • Se não houver leite de vaca o suficiente, haverá menos produtos lácteos, como queijo, iogurte e sorvete. Estes produtos também ficarão mais caros.
  • As abelhas também são valorizadas pelo seu mel, que, evidentemente, acabaria.
  • A indústria de cosméticos, que usa o mel como hidratante de pele em muitos cremes, sabonetes, xampus e batons, também vai sofrer.
  • As sementes oleaginosas, como o algodão, girassol, coco, amendoim e óleo de palma, que tanto dependem ou se beneficiam da polinização das abelhas, também murchariam, eliminando mais da metade da dieta do mundo de gordura e óleo.
E poderíamos estender essa lista muito mais, mas já deu para deixar claro como as abelhas são fundamentais em nossa sociedade, e que merecem esforços de conservação. 
http://misteriosdomundo.org/isso-e-o-que-aconteceria-se-as-abelhas-desaparecessem/

terça-feira, 10 de março de 2015

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

CURSO DE PROCESSAMENTO DE CONSERVAS E GELEIAS DE ORIGEM VEGETAL



Estrada Vereador Eugenio Guilherme Spitz, km21, Sem número
Lumiar/ Nova Friburgo – RJ
Cep-28.215-450

CURSO DE PROCESSAMENTO DE CONSERVAS E GELEIAS DE ORIGEM VEGETAL


Professora : Marta de Abranches

Experiência profissional:
Marta de Abranches, Licenciada e Bacharel em Biologia (2002), é microempreendedora individual comodatária do Sítio Abaetetuba, em Lumiar/ Nova Friburgo.
Sócia fundadora da Agroindústria Mistura Fina (2009). Tem certificação em Boas Práticas de Fabricação de Alimentos, Análise e Pontos Críticos de Controle e Fabricação de Doces e Geleias.  Pós-graduada em Segurança Alimentar pelo SENAC. É Professora/ tutora da UERJ/ CEDERJ - Centro de Educação a Distancia do Rio de Janeiro, desde 2005.  
 Na agroindústria, trabalha na gestão e treinamento de funcionários, no controle do estoque da qualidade dos produtos, na criação, desenvolvimento e manufatura de novos produtos. Organiza, coordena e ministra cursos em cursos em produção de conservas e geleias e frutas desidratadas, aproveitamento integral de alimentos e sistemas produtivos sustentáveis. Experiencia em desenvolvimento e gestão de projetos.
Participa, com os produtos da agroindústria em vários eventos como Feiras da Agricultura Familiar, Salão do Turismo do Rio de Janeiro e de São Paulo, Feiras de Empreendedores e Feiras Gastronômicas.
Foi contemplada pelo Fundo de Amparo a Pesquisa do Estado do Rio com o projeto “Produção familiar associada ao turismo - do campo à mesa”.
Recebeu o premio Maravilhas Gastronômicas, do Jornal O Globo na categoria “Melhor Conserva” do Estado do Rio em 2014 e “Melhor farofa de mandioca” na categoria “Da terra”, no mesmo ano.

Objetivo da conservação de alimentos:
·         Conservar produtos na safra para consumi-los na entressafra.
·         Aproveita as sorbras das colheitas, reduzindo o desperdício.
·         Possibilitar a melhoria da alimentação familiar através da disponibilização de produtos de qualidade, de fácil utilização e transporte;
·         Ser uma fonte de renda para as famílias rurais;
·          Agregar valor e aumentar da validade.

OBJETIVO DO CURSO:
  • Desenvolver conhecimento sobre as principais formas de processamento de conservas e geleias;
  • Desenvolver técnicas de produção de geleias, chutneys, relishes e antepastos de origem vegetal;
  • Capacitação básica para atuar unidades no processamento de conservas e geleias;

PUBLICO ALVO:
O curso é destinado a pessoas que tenham o interesse em desenvolver conhecimentos na área de processamento de conservas e geleias.
Data: 27 e 28 de fevereiro
Carga horária: 12 horas
Sexta- 9:00-12:00 /14:00-17:00 (com coffe break as 16:00 h)
Sábado- 9:00-12:00 /14:00-17:00 (com coffe break as 16:00 h)
NÚMERO DE VAGAS: 5

CONTEÚDO
Tópicos a serem abordados:
  • Legislação – Alvará /Tipos de registro (ANVISA/MAPA)
  • Documentação necessária para agroindústria
  • Cursos indicados
  • Manual de boas práticas de conservação de alimentos
  • Processamento das conservas e geleias
  • Tipos de processadores
  • Fluxo de produção
  •  Conservantes naturais
  • Fatores limitantes para o crescimento de fungos e bactérias - pH, Atividade de água e ausência de oxigênio;
  • Técnicas de conservação:
Branqueamento;
Pasteurização;
  • Controle de qualidade;
  • Troca de receitas e de experiências (geleias, picles, chutney etc..)

- Geleia de morango
- Chutney de manga
- Picles de pepino
- Cenourinha agridoce
- Chutney de banana
- Conserva de berinjela condimentada

·         Apresentação de livros de receitas de conservas e geleias

Entrega de apostila receitas, noções de boas práticas, técnicas de conservação e legislação específica (rotulagem, boas práticas, etc..)  e cd com informações complementares.
Investimento da aula : 800,00 
PS: Translado, hospedagem e alimentação não inclusos









#aprorio #qualidadetotal